24 outubro 2007

Procurador Geral da República dos Tugas

Ao que o Deus Thoth, teve acesso, por ser omnipresente, diz respeito ao novo acordo ortográfico entre aquele que diz alegremente não gostar de blogues (PGR), e o poder judicial, poder desconhecido que se procura justificar nos meios de comunicação social por meio das novas detenções por delito de opinião e outras quimeras, enquanto que o crime de colarinho branco se passeia por aí cada vez mais branco, e a seu belo prazer. Mas voltemos ao acordo, quer dizer, ao renovado na sua importância, verbo transitivo: escutar. A partir de agora, este verbo sobe a categoria primeira dos verbos, será ensinado nas escolas como base fundamental da democracia portuguesa. A primeira letra que a criança deve aprender, já não será mama ou papa, mas sim "escutata" ou "escupapa" ou ainda "escumama", tal é a transformação filológica de um língua, capaz de alterar o pensamento de um povo, apenas numa geração. Ora digam lá, se este acordo, não é válido?
Verbo a saber:
-
Eu escuto
Tu escutas
Ele escuta
Nós escutamos
Vós escutais
Eles escutam
-
O futuro será risonho, porventura, mais digno do que este, sempre em transformação democrática e nela justificando todo o tipo leis arbitrárias e desconformes com aqueles (o povo) a quem ela (a lei), deveria proteger e auxiliar na sua vivência diária...

4 comentários:

Santos R. Queiroz disse...

O PGR não gosta de blogues. Gostarão dele os blogues? Questão.

Temos uma nova Mocidade, a Mocidade da Represa. Eis o hino:


Lá vamos, escutando e rindo,
Escutados, escutados, sim,
Pelo ouvido judicial tremendo
Do SIS mandatos sem fim.

Lá vamos que a democracia é linda
Tudo e todos corrompendo
Com ouro, no cofre, ainda!

Alma rondante de Cunhal
Vermelhas repressões ameaça
Sobre as gentes de Portugal!

Escutar! Escutar! E lá vamos!
Em todo o lado entramos
Somos a "liberdade" que passa.


Cale-se a voz que, turbada,
Dos excessos se espanta,
Divulgue-se e bem a insânia,
Ante a escura madrugada,
Em nossas almas nascida.
E, por nós, oh! Lusitânia
-tudo almoça, tudo janta-
Pátria! Serás roubada,
E por nós serás explorada,
Explorada quase até ao Nada!

Lá vamos, escutando e rindo,
Escutados, escutados, sim,
Pelo ouvido judicial tremendo.
Do SIS mandatos sem fim.

Santos R. Queiroz disse...

Continua:

Escutar é a nossa divisa
Escutar, palavra que vem
Das mais podres raízes
Desmembra e aterroriza
Ascende aos telefones d' além...
escutar, lema da desgraça,
Grito dos tiranos felizes!

Escutar! Escutar! E lá vamos!
Em todo o lado entramos
Somos a "liberdade" que passa.

Thoth disse...

Muito bem, Santos Queiroz,
a veia poética não lhe fica mal, isto se for o autor.
Os meus parabéns!

Cumprimentos

Anónimo disse...

Bravo! caro Santos R. Queiroz.
O thoth deveria copiar e colar no blog.

Malaquias (o barbeiro)