22 fevereiro 2009

Torres Novas



No dia sete de Fevereiro, ocorreu em Torres Novas, intra muros do castelo, um almoço memorável destinado a aproximar os historiadores e aprendizes do mesmo ofício. Não há nada como nos sentirmos em casa fora da nossa, e num castelo onde a história ecoa em cada pedra, essa máxima atinge o zénite. A história tem destas coisas...

3 comentários:

Manuel disse...

Foram visitar o D. Sancho?!!!
Também andei por aí, todos os dias, durante dois anos...
(Já agora, a estátua é do Cutileiro, e é horrível).

Tot disse...

Excelentíssimo Manuel, muito me honra a sua visita.
A função do meu amigo mortal permite-lhe conhecer o país.
É obvio que os cánones clássicos não estão presentes na estátua; coisas dos tempos modernos.

Cumprimentos

Anónimo disse...

O Castelo, concordo, deve ser magnífico, como o são todos eles porque, para além da sua beleza intrínseca como monumentos, nos recordam a nossa gloriosa História. Conheço alguns e de facto o que se sente no seu interior é mais do que magia, é qualquer coisa de indefinível que se aproxima do sublime. Quase como se recuassemos no tempo e estivessemos a viver um momento Real. E digo-o com algum conhecimento de causa (digamos assim).
Quanto à estátua, meu Deus! À primeira vista até me pareceu um boneco de cartão... de verdade! Depois de ler o comentário do Manuel fui revê-la e acho-a simplesmente um PAVOR. Quem fez 'aquilo' - o Cutileiro, é? tinha que ser - esqueceu-se de que era escultor, como aliás se tem esquecido em muitas outras esculturas..., porque qualquer observador com olhos de ver e o mínimo de sensibilidade e mesmo que leigo na matéria, ao olhar para aquele mono só se pode perguntar onde está a estética, a harmonia, a beleza? E sobretudo a dignidade e grandeza que mesmo em estátua são devidas a um Rei?
Que por exemplo se verificam nas magníficas estátuas de personalidades as mais diversas, mandadas erigir no anterior regime.
Maria