05 abril 2009

Crise...

A crise internacional, quer dizer, a crise globalizada, é essencialmente uma crise dual, isto é, primeiro, é financeira, por haver muita gente a roubar e a depositar em paraísos fiscais. Segundo, por a produção não visar a procura mas o "estoque". O que significa, que se produzia, não para repor uma percentagem mínima necessária de estoque, mas, produzia-se para um estoque absurdo, com percentagens elevadíssimas que o mercado actual não consegue escoar.
-
Bem fizemos nós, portugueses, que produzíamos pouco...e ainda o continuamos a fazer...
-
Se a produção de bens não visar a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, que irão usufruir desses bens, então, para que serve produzi-los em quantidades desnecessárias?

1 comentário:

Anónimo disse...

Este blogue é uma chatice!

O Nacionalismo é aborrecido!

A democracia é aborrecida!

A política é muito complicada e chata! A economia é sempre o mesmo: está tudo mal, está tudo mal, vai piorar!

A Igreja não manda em ninguém.
O António Saraiva não tem nada que se meter onde não é chamado.

Estavam melhor se cada um se metesse na sua vidinha, trabalhasse bem e mandasse a merda da conversa e dos fetiches com Hitleres e Estalines p'ró espaço e mais além.


Viva e até depois, Manel!
O gajo da Alfama.