16 agosto 2009

Dinheiro

Diz-se comummente que o dinheiro não trás saúde. Mas o contrário não é menos verdade. Não ter nenhum dinheiro também não dá saúde. Pior ainda, a falta de dinheiro pode ser fatal no socorro urgente a uma qualquer doença.
Se falamos assim da falta de dinheiro a propósito da saúde. Podemos muito bem ir mais longe, e transferir o âmbito da importância do dinheiro para outras necessidades contemporâneas.
O económico, ou se preferirmos, a economia doméstica também não foge há necessidade de dinheiro.
Se o dinheiro não trás felicidade. A falta dele também não dá nenhuma. Muito menos quando dele se tem urgência para socorrer as necessidades domésticas.
Todo o palavreado em prol da pobreza não passa de uma falsa segurança pessoal, doméstica e comunitária.
-
Contudo, como já vimos, se a falta de dinheiro pode fazer perigar a saúde física e doméstica. Pode por outro lado, e aqui deixa-se o problema para análise de especialistas, afectar o psicológico, e tudo o que lhe estiver associado.
-
Façam uma reflexão sobre ter e não ter. Sobre o poder adquirir ou não determinado bem. Sobre o tempo que medeia o desejo ou necessidade básica e o acto de posse.
-
Analisem as necessidades básicas do homem contemporâneo, tais como: alimentação, vestuário, saúde e educação.
Depois de uma análise cuidada sobre cada uma, digam qual preferem glorificar. Se a pobreza ou a riqueza?
-
O objecto de análise são vós mesmos no vosso percurso diário enquanto vivos.

Sem comentários: