28 maio 2010

Doutrina democrática

Quando entramos num avião, não interrogamos o piloto sobre a sua competência para voar. Porque sabemos de ante mão que o piloto tem brevê, o que lhe confere capacidade técnica para desempenhar a sua função profissional com um mínimo de horas de voo exigíveis por lei. No entanto, confiamos o governo do nosso país, do Estado, nas mãos de políticos assalariados, sem formação na arte de governar. Incapacitados para administrar o bem público com zelo e diligência. Se procedemos com responsabilidade com os primeiros, porque supomos que são pilotos. Porque razão negligenciamos em relação aos segundos, uma vez que estes apenas necessitam de ser eleitos por sufrágio universal, não precisando de mais nenhum requisito indispensável para poder gerir com responsabilidade o bem comum...

Sem comentários: