12 março 2011

O dia D

Começaram de maneira tímida a cortar, a impor-nos austeridade, que já se prolonga por vários anos, se pensarmos no congelamento de salários. Começaram timidamente, agora são mais arrogantes. Já não chegava o aumento de impostos, o congelamento de salários, o corte nos subsídios sociais e outros, o corte nos vencimentos. Agora vão mais longe, aumentam de novo os impostos, subtraem as pensões de quem trabalhara uma vida. Para este governo bicéfalo, na medida em que só aprecem duas cabeças, primeiro-ministro e ministro das finanças, a austeridade a impor aos portugueses não tem limites. Todavia, o mesmo parece não ser verdade para políticos e administradores da coisa pública.
-
Hoje, caros amigos, é o dia D, o dia em que devemos dizer: já chega. É o dia em que devemos estar preparados para... fica ao critério de cada um acrescentar...Se dependesse de mim, digo-vos do alto do meu blogue - o país parava hoje mesmo - e mais não digo, para não revelar a estratégia do futuro...

2 comentários:

Carlos Portugal disse...

Caro Tot: Podem os «powers that be» berrarem números falsos acerca dos participantes, bolsarem injúrias contra as Pessoas de Bem que participaram nas manifestações, dizerem que se estão nas «tintas» para elas... O mais significativo é que tudo isso reflecte o medo que esta gentalha desgovernativa começa verdadeiramente a ter.
Porque o aspecto mais importante daquilo que hoje ocorreu por todo o País foi o seu significado mais profundo: o de um Despertar. Um despertar de um País adormecido, drogado com telenovelas, futebóis, mensagens subliminares e incontáveis mentiras. E este despertar tem uma energia, uma força anímica tremenda. Como um iceberg, a parte invisível é a mais poderosa, a mais gigantesca. E, se Deus quiser, irá avassalar o travestismo corrupto de governo que se instalou a sugar o País.
Grande abraço.

Tot disse...

Caro amigo, penso que foi com gosto que assistimos ao acordar colectivo das gentes. Que finalmente perceberam o engano da alternância democrática...

Um grande abraço