13 junho 2011

Servidão voluntária

Este pequeno ensaio de La Boétie é tremendamente actual, apesar de ter sido pensado para o feudalismo.
Concordamos em parte com Platão, nomeadamente no que diz respeito ao exercício físico e ao tempo que deve ser dedicado ao pensamento, se preferirmos, à inteligência.
Neste sentido, existem livros de leitura obrigatória para quem quer ascender ao cume da inteligência, não só os clássicos, que deverão ser lidos e entendidos, como aqueles livros tidos por necessários para formar um bom carácter, como o que apresentamos aqui, devem ser lidos e relidos, coisa que fizemos (lido em 1997 e relido em 2011). Só deste modo podemos aceder à inteligência que entendemos ser a mais adequada ao nosso propósito...
-
São, pois, os próprios povos que se deixam oprimir, que tudo fazem para serem maltratados, pois deixariam de o ser no dia em que deixassem de servir.
La Boétie
-
Como diríamos, este pequeno ensaio encerra algumas verdades sobre a servidão voluntária, que aqui não se reproduzem, por considerarmos que cada um deve percorrer o seu caminho, o que equivale a dizer, que deve, se quiser, ler o livro.
-
Como prometido no último artigo a propósito da revelação do nome da Central de Inteligência; afirmamos convictos que este dia e os que se seguirão, determinam um evento importante em 868 anos de História de Portugal, o que significa, que estamos efectivamente a escrever história. Por agora, apenas revelaremos a sigla, como prometido, da Central de Inteligência: SISD.
Boas leituras...

Sem comentários: