30 julho 2011

SIRP...

Depois das últimas noticias sobre o ex-director do SIED, confirmamos as nossas maiores suspeitas, de que os serviços de informação podem ser partidarizados, se pensarmos na nomeação dos seus directores por simpatias partidárias, e na nomeação de demais quadros superiores, directamente dependestes desses mesmos directores...
-
Por este motivo, consideramos que o nosso SISD está pronto a nascer, embora já exista em pensamento, isto é, em inteligência. Advogamos um serviço livre das influências nefastas da política e dos negócios que não trazem mais valor acrescentado ao Estado Português...

28 julho 2011

O exército secreto da Nato

Temos afirmado que à Central de Inteligência cabe a salvaguarda de informação sensível, sempre confirmada ou provada a partir da verificação de autenticidade de documentos que a sustenta. Dito isto, disponibilizamos um link para um vídeo produzido pelo Canal de História, sobre o exército secreto da Nato.
-
http://vimeo.com/22815663
-
Que analogia podemos aferir a partir da comparação com o tempo contemporâneo; onde os fins para se poder obter o máximo de lucro justificam todos os meios, mesmo que se tenha de recorrer aos serviços secretos de inteligência para fornecerem informação valiosa sobre os inimigos, sejam estes exteriores ou domésticos, não importa, se o negócio do pseudo-inimigo representar uma ameaça ao lucro daquele que detém o poder...

24 julho 2011

Noruega

Este triste acontecimento, mostra a incapacidade de os serviços de informação produzirem informação em tempo útil, de modo a evitarem-se tragédias semelhantes a esta...
-
Mostra também que a operacionalidade dos serviços, incluindo as polícias e as forças armadas, é ainda muito débil, se pensarmos no tempo que se perdera no socorro ao segundo ataque...
-
É preciso repensar alguns serviços... a resposta operacional deve ser dada quase em tempo real, sob pena de não servir para o fim para o qual fora criada...

21 julho 2011

Exploração da função...

Institutos públicos - 256
Fundações - 639
Empresas públicas - 95
Empresas públicas municipais - 343
Parcerias público-privadas - 87
MENDES, Luís Marques, O estado em que estamos, Lisboa, Matéria prima edições, 2011, p. 55
-
Quando se analisa a história sob a perspectiva da investigação social, facilmente percebemos as conjunturas e toda a estrutura que encadeia os acontecimentos, sejam estes passados sejam contemporâneos. Depois do trabalho árduo da investigação, depressa compreendemos a trama dos acontecimentos, que no caso particular e presente, nos remete para uma exploração da função, o que equivale a dizer-se que cada função de direcção é uma função a explorar, a tirar um maior partido uma empossados na respectiva função. Não interessa o bem comum, tão pouco o Estado, tudo isso é relevado para segundo plano, deixando a primazia para a exploração, para a troca de favores, das nomeações, dos clientes, das famílias, dos amidos, dos partidários, dos amigos dos amigos, enquanto se conseguir explorar todo o potencial da função...

19 julho 2011

Tribunal de Contas

Auditoria orientada às aquisições de bens e serviços do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE.
-
Mais uma vez, a auditoria confirma os nossos receios. Sem querermos entrar em pormenores, na medida em que é disponibilizado o respectivo link para o texto, e que cada um deve ler, para poder formar um juízo sobre este assunto específico, afirmamos que a produção de prova sobre o percurso profissional de alguns quadros é mais fácil do que alguns pensam, embora seja preciso algum tempo para produzir a informação tida como necessária.
-
Longe vai o tempo em que o cidadão se resignava ao deixa andar, ao controlo coercivo imposto pelo Estado. O que temos vindo a assistir nestes últimos anos provoca-nos alguma apreensão, na medida em que as famílias políticas e famílias de sangue não só dominam as funções decisórios administrativas do Estado, como obstam a que seja feita justiça, quando esta aparentemente é posta em causa...

18 julho 2011

Democracia de fingimento II

O título deste artigo remete-nos para uma realidade bem portuguesa, que assenta na dissimulação constante que o governante faz sempre que é sufragado para governar...
Dito isto, devemos exigir ao novo governo que mostre, se já fora elaborado, a auditoria exaustiva às contas públicas de modo a podermos avaliar a necessidade de cobrança coerciva, pois não tem outro nome, de um imposto extraordinário cobrado em sede de IRS no subsídio de natal.
Voltamos ao tema por considerarmos que a austeridade pedida aos portugueses deve consubstanciar realidade financeira com realidade política, de modo a que todos os cidadãos, nomeadamente aqueles que com os seus impostos mantém o país vivo, possam aferir das medidas tomadas. O que significa, que o governo, deveria, antes de tomar uma acção coerciva concreta, tornar pública a auditoria feita pelo FMI, de modo a percebermos como estão na realidade as contas públicas... Uma vez que parece não existir nenhuma auditoria interna digna desse nome...
-

14 julho 2011

Democracia de fingimento

A mentira precisa sempre que o mentiroso a sustente com outras mentiras. A verdade, justifica-se a si mesma, por mais escondida que esteja!

12 julho 2011

Central de Inteligência

Por estes dias revelaremos a Missão que justifica a existência do SISD. Deixamos propositadamente de fora a Estratégia ou se se preferir, os objectivos que norteiam este serviço, inserido naquilo que designamos Central de Inteligência.
Num mundo em constante mudança, compete-nos estar constantemente capacitados para acompanhar as alterações que ocorram no território nacional. O que significa, que a Central de Inteligência será apenas um ponto de partida.

08 julho 2011

Central de Inteligência


...Secretárias de ex-administradores posteriormente promovidas a Quadro Superiores; filhos, sobrinhos, ex-cônjuges, cunhados e outros graus de parentesco de administradores, directores, membros do governo, amigos, etc.; golfista e especialista em pastéis; ex-apresentador de televisão falhado; consultor de segurança cujo ócio perturba os trabalhadores vizinhos...
-
Este comunicado da comissão de trabalhadores dos CTT é elucidativo quanto ao que temos vindo a afirmar; e confirmar a trama que existe entre famílias de sangue e famílias políticas, que tudo controlam, impedindo deste modo completamente anti-democrático a mobilidade social aos restantes cidadãos.
Pretendemos deste modo, salvaguardar a informação sensível ou não, de modo a podermos usar sempre que necessária. Há muito que o respeito pelo bem público sucumbiu, mas como se isso não bastasse, aqueles que ocupam determinadas funções fazem currículo, por vezes sem perceberem muito bem o negócio em que estão metidos, só porque a cor do cartão é a adequada. Diz com a camisola que esta vestida...
Continuaremos atentos ao desenrolar dos processos elaborados pela Inspecção Geral das Finanças, de modo a permanecermos informados do espírito de missão de que alguns gestores públicos estão imbuídos...

05 julho 2011

Mossad

Obra excelente (lida em 2005) para quem pretende conhecer um pouco do que poderá ser um serviço de informações. A política e diplomacia não lhe ficam atrás, por vezes até o superam, na medida em que mentem mais e dissimulam constantemente, de modo a manter as mentes entretidas com ninharias... O que permite continuar com a farsa de que a Democracia existe, e de que a igualdade de oportunidades favorece a mobilidade social...

04 julho 2011

BPN

-
Este despacho ministerial é muito interessante, se pensarmos que dias antes tinha sido anunciada uma medida de austeridade tendente a subtrair (e a trair) 50% do subsídio de natal acima do salário mínimo em sede de IRS.
Pensamos que o descaramento político na democracia portuguesa é já um sintoma do que há-de vir, e do que temos vindo a afirmar: oratória do entretenimento, e folclore político...
-
Cada vez estamos mais decididos na persecução da Central de Inteligência, que deverá ser a garante de uma informação limpa, desintoxicada, e ao serviço da verdade histórica...

02 julho 2011

A queda dum anjo

Esta obra quase esquecida propositadamente pelos políticos e humanistas da política, é de leitura muito obrigatória, que deve ser lida o quanto antes, como se de alimento se tratasse. Lê-mo-la em 96, e desde lá para cá, temos confirmado a trama em que assenta a obra, que deveria ser lida por todos os portugueses maiores de idade.
-
Lembramo-nos da queda dum anjo a propósito do novo imposto sabiamente, salvo seja, instituído pelo novo governo: tributar em sede de IRS, 50% do subsídio de natal acima do salário mínimo. O que as famílias políticas e famílias de sangue sorvem é muito mais do que o Estado vai arrecadar com a receita deste imposto dito extraordinário...