13 fevereiro 2012

Subida incomportável dos preços...


No último ano assistimos a um aumento desmesurado do preço dos bens de primeira necessidade. Aliado a este fenómeno especulativo, mas em sentido inverso, assistimos a uma real diminuição do poder de compra da quase totalidade dos cidadãos, sentida nomeadamente através do congelamento do aumento de vencimentos, da diminuição e supressão de subsídios e da suspensão de promoções devidas por quem é realmente mais capaz.

Dito isto, passemos à análise dos aumentos mais significativos e que representam no orçamento familiar uma fatia considerável do valor total.
Em apenas um ano, desde Janeiro de 2011 a Janeiro de 2012, o preço da electricidade aumentou 19,76%; os combustíveis líquidos aumentaram 31,12%; o gás aumentou 6,54% e a água aumentou 3,26%. 

São aumentos incomportáveis para o orçamento familiar dos maioria dos portugueses, que com certeza não aufere o mesmo que os membros do governo, pagos pelo orçamento de Estado, o que significa, que são pagos por quem paga impostos neste país meio a brincar...

Mas vamos mais longe na nossa pequeníssima análise, isto é, a onde estão aquela entidades e ou associações que deveriam zelar pelo interesse dos consumidores? Porque estão tão caladas? Que gestão da informação lhes foi imposta?

Dizemos apenas para concluir que está em curso uma investigação tendente a caracterizar quais são as entidades e ou associações que recebem donativos, seus montantes e proveniências, de modo a podermos de uma vez por todas por fim a esta farsa do defende o quê e quem...

Sem comentários: