15 março 2012

Pensamento neoliberal

Tentamos neste últimos dias afastar-nos dos holofotes que a escrita possibilita, cimentando ao mesmo tempo algum silêncio, conscientes de que mesmo no silêncio continuamos a incomodar. 
Sabemos também que a contínua lamuria, paráfrase de Séneca, não nos leva a lado nenhum, nem acrescenta conhecimento e competência. Porém, não estamos desligados da política, nem pretendemos desligar-nos completamente, pois sabemos que é por intermédio dela que a solidariedade entre famílias políticas e famílias de sangue de faz. 
Neste sentido, já pouco pensamento produzimos sobre as consecutivas asneiras continuamente feitas pelo governo, que para mal dos nossos pecados, ainda uma asneira não está resolvida e logo faz outra, coisa típica de menino mimado...

Contudo, não podemos deixar passar a génese da existência do partido do governo, a saber: o neoliberalismo. E aqui vamos utilizar um pequeno exemplo para percebermos o quão ridícula é esta forma de estar e pensar. Dizem-nos que o público deve ceder lugar ao privado, que melhor gere. Dizem-nos também que a livre iniciativa produz são e livre concorrência. Não nos vamos alongar muito na explicação, porque escreveríamos um livro com argumentos contra, apenas utilizaremos o pequeno exemplo que inicialmente referimos, e que nos remete para o acto de privatizar, isto é: é preciso privatizar a todo custo, vender pelo melhor preço um serviço público rentável, cimentado ao longo de anos, e com clientes com certeza "certos". Mas o ridículo deste pensamento obtuso assente na premissa: é preciso privatizar, porém, nem que seja para um outro estado. O que quer dizer, que o pensamento neoliberal é estúpido em si mesmo, porque "obriga" a privatizar um bem essencial, que na prática, passou de um estado para um outro estado...

Sem comentários: