11 junho 2012

Justiça cega...

A verdade parece ser algo incompreensível para o entendimento de quem administra a justiça. Percebemos já há muito tempo que o país é refém de famílias de sangue e de famílias políticas, que pela solidariedade entre elas controlam os centros de decisão do Estado, o que equivale a dizer-se, que controlam o Estado, o que significa, que a aplicação da justiça é para os outros, dito de um outro modo, para aqueles que estão por de baixo...

Estranhamos o silêncio do povo, estranhamos o silêncio da justiça e também estranhamos o silêncio dos pseudo revolucionários...

2 comentários:

Anónimo disse...

Kind Sir,

"Now is the winter of our discontent
Made glorious summer by this son of York;
And all the clouds that low'r'd upon our house
In the deep bosom of the ocean buried."

Democracy, like Richard's daughters, soon betraying their father, their nation, for the vain interest of factions.
And like fools, countries run as ghosts over the swamps.

Justice in the mud, its eyes so blended and hands so tied...

Tot disse...

Seja bem-vindo,

As duas analogias que utilizou caracterizam bem o tempo presente do sistema, ao qual chamamos democracia.

Cumprimentos